Jornal Plural IpiaúConfira as edições impressa. Leia online ou baixe em PDF

Correios em greve por falta de segurança.

Trabalhadores dos Correios entram em greve na Bahia após retirada de vigilantes em agências, diz sindicato.

Foram 132 vigilantes retirados das agências no estado, segundo o Sincotelba.

Por G1 BA

Agência central dos Correios na Pituba, em Salvador (Foto: Divulgação/ Sincotelba)Agência central dos Correios na Pituba, em Salvador (Foto: Divulgação/ Sincotelba)

Agência central dos Correios na Pituba, em Salvador (Foto: Divulgação/ Sincotelba)

Os trabalhadores dos Correios na Bahia entraram em greve por tempo indeterminado nesta segunda-feira (21), após a retirada de vigilantes de agências, de acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos no Estado da Bahia (Sincotelba).

Conforme o sindicato, 84 agências em todo o estado estão sem 132 profissionais de segurança. Por conta da paralisação, não estão funcionando, nesta segunda-feira, as agências do Rio Vermelho, Calçada, em Salvador, além de Lauro de Freitas, Ubatã e Irecê.

O G1 questionou aos Correios sobre a suposta retirada de vigilantes e sobre o funcionamento das agências, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.

“Na capital, cerca de 15 agências onde não tiver vigilantes, vamos parar. São cerca de 70 unidades no interior do estado, que atuam como banco postal e estão sem vigilante, então não tem como ficar”, afirmou a vice-presidente do Sincotelba, Shirlene Pereira.

No interior, as agências que estão sem vigilantes estão em cidades como Pojuca, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Itabuna e Ilhéus, segundo o sindicato. O trabalho nos centros de distribuição dos Correios deve ser mantido, conforme a entidade.

“Estamos fazendo uma greve emergencial e por tempo indeterminado. As unidades dos Correios estão sem segurança. A vida dos trabalhadores e dos clientes não vale mais nada. A questão da empresa não é financeira, é maldosa, para deixar precário e terceirizar o serviço. Não podemos aceitar isso. Estamos sem segurança em nenhuma unidade da Bahia e do Brasil a partir de hoje”, detalha.

Ainda segundo o representante da categoria, a justificativa usada pela estatal é contenção de gastos. Conforme enfatizado por Josué Canto, a greve acontece após diversas tentativas de negociação com os Correios.

“Discutimos há mais ou menos dois meses e não tivemos retorno. Na última sexta-feira, a categoria decidiu após assembleia deflagrar a greve”. Por causa do ato, alguns serviços foram afetados. “Algumas coisas vão funcionar, porém em relação ao atendimento, prédio central e em unidades onde os vigilantes foram retirados, o serviço funciona parcialmente”, explica.

Uma nova reunião dos trabalhadores está prevista entre esta segunda (21/08) e terça-feira (22/08).

 

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *